8 de nov de 2012

o território dos poderes

Crack

Garantir um território é a primeira coisa a se fazer para se exercer um poder.
É na construção de um território que os poderes se estabelecem, que traçam fronteiras, que excluem estrangeiros. Sem território não há autoridade. O estado e o capital estão sempre construindo novos e maiores territórios, cada vez mais amplos, cada vez mais totalizantes.

Mas, nesses largos braços dos territórios dominantes, à muitos sujeitos e comunidade são reservadas a mera exclusão, o encarceramento, a eliminação. No território que esses poderes tracejam, alguns não tem lugar e para eles é reservado a polícia travestida de assistência social e, para isso, o jornalismo tem papel fundamental.

Em resumo: na construção do território feita pelos poderes centrais delimita-se uma fronteira em que alguns não tem lugar e desse território é preciso eliminá-los.
No Rio de Janeiro hoje, esse "alguns", esses "sujeitos quaisquer",são os usuários de crack. Eles se tornaram o paradigma daqueles que devem ser eliminados, mas antes, se tornam essenciais para que o estado e o capital não parem de reforçar o seu direito de fazer território, de eliminar e de excluir.

Ver matéria da Globo
https://www.youtube.com/watch?v=8Yp0iAD2HYI

Impressiona a habilidade, velocidade e destreza dos sujeitos em fuga.

Um comentário:

Stan Molina disse...

César, qual outro tipo de solução você aponta para esse tipo de problema?