1 de ago de 2007

Entreatos, de João Salles


Por algum motivo estranho só essa semana assisti ao documentário Entreatos, de João Salles. É um filme brilhante.

Antes de tudo um filme de negociação. Um filme que demanda um outro documentário em torno da negociação que permite que o filme aconteça.

A imagem paradigmática do poder de negociação deste filme é a última, em que Lula, já eleito, está entre 500 câmeras que o esperam no saguão do prédio e a de Walter Carvalho/João Salles.

A câmera para e entrega o presidente para o jornalismo.

Que fantástico o humor do presidente e a forma como o filme consegue estar atento a isso e aos silêncios dos raros momentos de solidão.

Que delicioso e duro trabalho deve ter tido João Salles e Felipe Lacerda na montagem deste filme. Que vontade de ver o material bruto nas raras sequência em que um junp-cut elipsa a fala de Lula.

Escrevi recentemente sobre Santiago, o mais recente filme de João Salles e talvez tenha deixado de mencionar a admiração que tenho pela busca de temas difíceis e a maneira serena e pouco ortodoxa que Salles os aborda.

Quando dou especial atenção à negociação é porque Entreatos parte de um grande poder que o filme tem - a possibilidade de estar ali com a liberdade que Lula lhe dá - e não se abstém em usar e explicita esse poder.

Nenhum comentário: