24 de jun de 2015

Crise ética e crise de legitimidade.

Uma imagem tem frequentado os jornais ultimamente.
Dois políticos conversam em lugares públicos e, para que não haja leitura labial, eles cobre a boca.
Por algum motivo os editores tem privilegiado essa imagem.
Talvez tenham razão para isso. O que a imagem diz sobre os políticos e sobre os jogos de poder é bastante evidente: “Estamos conversando e organizando coisas que não podem ser ouvidas por ninguém”. “Apesar de estarmos em público e sermos homens públicos, o que dizemos um para o outro não pode ser pronunciado, faz parte da opacidade dos jogos palacianos”
Por uma lado, felizmente que nem tudo é transparência. Por outro, que estranho que esses homens precisem cotidianamente trocar confidências impublicáveis.
A mão que cobre a boca revela a instabilidade dos acordos, como se a cada dia um novo acordo tivesse que ser feito.
Mais do que uma imagem que explicita que os políticos tem algo a nos esconder – também porque são humanos – a presença reiterada dessas imagens corrobora uma instabilidade, um cotidiano de acordos feitos e refeitos. Um certa indeterminação das formas do poder atuar. Como se houvesse, no fundo, uma desconexão entre poder e liderança.
“Veja, o tempo todo eles precisam repactuar!” diz a imagem. Com se a própria representação estivesse em crise.
A imagem perfaz assim um discurso ancorado na realidade, é verdade, mas também representativo de um certo desejo de mundo. Esse discurso parece então nos dizer: "esse homens que fazem o inconfessável – já que não podemos saber o que combinam – também não mandam nada". Crise ética e crise de legitimidade.
Se é essa a situação do país, não sei, mas que parece haver um certo interesse nessa leitura, acho evidente.

Nenhum comentário: