24 de jun de 2015

Internet e a lentidão da delicadeza

Nesta última semana dois eventos que circularam por aqui me tocaram. O caso da fala preconceituosa do Ed Motta e do texto equivocado José Jr. Pouco tempo depois, diante da repercussão, os dois fizeram notas públicas, pedindo desculpas, dizendo que erram no tom e que se expressaram mal. Entretanto, não houve saída, os dois continuaram sendo severamente agredidos, como se tivesse revelado a verdade de seus seres com os seus erros. Como um ato falho.
O ato falho é parte do “ser polícia” que a psicanálise criou. Quando alguém diz ou escreve o que não queria dizer, mesmo que depois negue o que disse, sempre haverá uma psico-policial para dizer: “A verdade é o que sai sem querer. É essa que vale.” Não adianta se justificar, dizer que errou, que se expressou sem precisão ou que não foi bem interpretado. “Te pegamos no flagra. Sabemos tudo sobre você.”
O que me toca em nossa prática nessa rede social - e fora dela -, nesses tempos de emoções agudas e posturas polarizadas, é a enorme indelicadeza que temos produzido e feito circular. Cometido o erro, o sujeito está perdido.
Não guardo simpatia por José Jr., por exemplo, mas a distância política e estética que tenho não deveria me dar o direito de usar esse momento em que ele comete um erro, para acusa-lo, inclusive, de defender que crianças sejam mortas.
A indelicadeza está na velocidade e contundência das acusações. Não há tempo para nada, apenas para reações que precisam ser maiores que as ações. Nessa lógica de vingança, uma frase que nos desagrada, mesmo que alterada por uma reflexão do autor, será rebatida com violência destrutiva.
A lógica é a da eliminação.
Se não gosto da estética-carrão e das joias do José Júnior, nem de seu apoio ao Aécio, “quando ele abrir uma brecha eu o destruo”.
Trouxemos para o cotidiano a lógica das campanhas eleitorais, dos reality shows e do mundo corporativo. O outro é um inimigo a ser abatido. Para isso, não há limites.
A delicadeza demanda um certo tempo, uma espera, uma reflexão e um pouco de cautela, mas, ai, já há outra assunto para ganharmos “likes” ou outro inimigo menor para ser destruído.
A delicadeza é lenta, por isso deveria começar na frente.

Nenhum comentário: